Celebrando 48 anos de serviço ao Reino de Deus

Na década de 1960, os ventos do Espírito começaram a soprar fortemente, sobretudo, pela ação e orações da missionária Rosalee Appleby.  Uma sede de avivamento brotava nos corações dos servos de Deus, aqui e acolá – em lugares diversos deste imenso país.

E o Senhor, no seu tempo, levantou inicialmente um profeta seu, pastor José Rêgo do Nascimento, que se encontrava “na brecha”, numa igreja batista da cidade de Vitória da Conquista/BA.  Quebrantou-o, revestiu-o com o poder do seu Espírito e pôs-lhe no coração a mensagem de despertamento espiritual para o povo de Deus na Pátria brasileira.

É assim que Ele age: chama, quebranta e reveste de PODER, para o cumprimento da MISSÃO que lhe é confiada. A voz desse profeta – José Rego do Nascimento, ecoou por este país a fora, empunhando a bandeira de renovação espiritual. E a voz, no poder do Espírito, é ouvida sempre. Servos de Deus, outros, foram se levantando, quebrantando-se, sendo cheios do seu Espírito; e, assim, proclamaram a mensagem de avivamento do Espírito de Deus em nossa terra.

Os embates não foram poucos – nem pequenos!  Para os momentos certos, o Senhor levanta as pessoas certas.  Era o momento de Moisés dar lugar a Josué.  O pastor Enéas Tognini não veio por acaso. O Senhor o chama, quebranta-o e o batiza com o seu Espírito. Tira-o do pastorado da Igreja Batista de Perdizes (SP) e da direção do Colégio Batista da grande Metrópole paulistana. E a voz desse destemido homem de Deus percorreu os quatro cantos deste imenso país, dando continuidade à pregação da mensagem de renovação espiritual.

Tem sido assim na história do cristianismo. Em momentos especiais, o Senhor levanta servos dEle no poder do Espírito e aviva a sua igreja. “Avivamento é obra do Espírito e surgirá sempre, até a volta do Senhor, pela simples razão do pecado de congregações apagarem o Espírito”, como bem observou o pastor José Rego no seu  livro “Mensagens de Renovação Espiritual”.

Renovação espiritual no Brasil foi a repetição do “fenômeno avivamento”, que não surgiu, nem surge num “estalar de dedos”. Houve semeadura, preparo do caminho por pessoas movidas pelo Espírito de Deus. Apesar dos espinhos, pedras e caminhos, salvaram-se os grãos que caíram na “boa terra”. Não foram em vão as orações e as palestras, e a literatura escrita e espalhada pela missionária Rosalee. Nem perdidas foram, as orações de todos os que sonharam com o avivamento pregado e ardentemente desejado por ela.

O “bom combate” da fé cristã é sempre compensador. O desfraldar da bandeira de renovação espiritual gerou burburinho em águas paradas. Tormentas que ativaram o crescer da obra de Deus no país. Cresceram os que se posicionaram contra, pois, saíram do passivismo para o combate, para a concorrência. E cresceram ainda mais, todos aqueles que, com a obra do Espírito ficaram.

No dia 16 de setembro de l967, na cidade de Belo Horizonte, MG, na Igreja Batista da Lagoinha, nasceu a Convenção Batista Nacional, com uma mensagem rica e poderosa, que se espalhou por todo país.

Passados 48 anos temos muito a celebrar, porque em todos esses anos a graça e a misericórdia do Senhor estiveram sobre nós de uma maneira extraordinária. Dedicamos as nossas homenagens aos pastores Rosivaldo de Araújo e Enéas Tognini que o Senhor chamou para si nestes últimos meses. A CBN só foi possível, porque homens íntegros, retos e servos como eles não deixaram a chama do Espírito se apagar.

Louvamos ao Senhor por fazermos parte desta história e temos a plena convicção de que Ele quer levantar a segunda geração de Batistas Nacionais com grande poder e graça para continuar pregando que continua viva a mensagem do Calvário e do Pentecostes, sem jamais esquecer que ninguém detém, é obra santa!

Parabéns Batistas Nacionais! Vamos juntos rumo ao cinquentenário.

 

Texto Adaptado
Silas Leite de Almeida - 2007 - Livro História dos Batistas Nacionais